domingo, 27 de agosto de 2006

Menu


"Lançamos este chamado desde o Quilombo dos Palmares, inspirados na força da luta de Zumbi, para construir a frente de esquerda (PSOL - PSTU - PCB), e proclamar a candidatura de Heloísa Helena à Presidência da República."
Essa é a primeira frase que se lê no site do P-SOL (Partido Socialismo e Liberdade). Confesso que me emociono com a retórica de gente assim. É ler e se deliciar com ideais de liberdade e igualdade que parecem ser trazidos de hollywood de tão fantásticos. Na página da canditada representante da coligação: "Coração Valente - Heloísa Helena para presidente"
O problema é que pra acreditar numa proposta que chega a ser lúdica, é preciso ser muito inocente. Nem o Cristóvão, que até o presente momento era meu candidato (diga-se de passagem que só por causa do sobrenome) e parece um personagem dos Ursinhos Carinhosos, de tão bonitinho e simpático tem proposta tão impalpável. Fazer a revolução educacional é tão difícil - mas ao mesmo tempo tão possível - quanto a reforma agrária.
O que a Helo está deixando na cara pra todo mundo, é que ela e o esquadrão sem-noção do P-SOL vão querer fazer radicalismos nesse nosso país. Dá pra enxergar por trás de tudo que eles dizem um quê de loucura como: não pagar a dívida externa, dar autonomia ao MST e afins, peneirar as filas de aposentados e pensionistas do INSS, etc.
De que tudo isso é necessário e de que seria ótimo se alguém o fizesse não há dúvida. A questão vai um pouco além, e a coisa aperta é quando a insanidade dos pretendentes a governar o barco é muito grande. Dentre os tantos que se propuseram a pegar o leme dessa vez, eu digo que ainda sou devoto do Lulinha. Não vou ser rude a ponto de considerá-lo o "menos pior", mas é que ele, o nulo e o branco estão numa disputa acirradíssima pelo meu voto.

3 comentários:

Alves disse...

Reforma agrária, reforma educacional, não pagar a dívida externa... Estamos precisando de radicalismos destes, Raul. Eu sei que os investidores estrangeiros vão ficar assustados,apavorados e perderão noites de sono, mas fazer o quê? Depois a gente paga uma buchada de bode pra eles.

tainah disse...

Ainda bem que ainda não me tiraram os direitos de cidadã porque me recuso a votar... Eu ainda tenho esse "direito". heheheh
Porque, para mim, eleição só tem um lado bom: horário eleitoral. Rolo no chão de tanto rir.
"Tenha pena, vote na Helena!"
"Vote no cachorrão: au-au"
"Vote no Rasgado..."
É um festival de palhaçada!

"Não vemos graça nas gracinhas da TV
morremos de rir no horário eleitoral..."
Até o Humberto fraga!

Raul disse...

Alves, também sou a favor da revolução cara. Só tenho receio quanto a "quem" vai liderar a revolução...

E Tainah, que bom que você também vibra em outra frequência. Senti saudade dos meus tempos de adolescência...