terça-feira, 7 de novembro de 2006

Chuva

Tenho medo das coisas que caminham na chuva
Mas trago um temporal dentro do peito
Vários mundinhos num só lugar nenhum
Onde foi parar você dentro de mim?
Eu sei?
Vai, não liga pra minha tristeza, não
Ainda estou "passarim de asa quebrada"
Mas, um dia, vou voar no meio desta chuva
Sem molhar meu coração de lágrimas
E pousar sereno em suas mãos

9 comentários:

Nine disse...

Ai caraca! Posso assinar embaixo?
Tais palavras doeram na alma.
É muito difícil ser "passarim de asa quebrada"...

Raul disse...

"É de lágrima que faço o mar pra nevegar..."

Bebendo de boas fontes hein cara?

Belas palavras.

Alves disse...

Claro, Nine... As vezes penso que asas existem para serem quebradas.

Paula Ribeiro disse...

não pode ter medo de caminhar na chuva
é bom por demais =)

Sam disse...

"Não há guarda-chuva contra o amor..."

Alves disse...

"Santa Chuva", né Paula. Uma das coisas que mais gosto é andar na chuva. "Desnublar" o pensamento.
Ei, Sam ... Essa é uma das letras do Sérgio Brito que mais gosto...Acho genial! O engraçado é que agora esqueci por completo o nome desta música... "Eu estou no meio da rua"... Eh,eh

Raul disse...

"Nem 5 minutos guardados", cara.

Fernanda disse...

Me lembrei de uma musiquinha dos tempos da Jovem Guarda:
"Olho para chuva que não quer cessar
Nela vejo o meu amor
Esta chuva ingrata que não vai parar
Pra aliviar a minha dor".
Tenho ouvido muito, num versão linda! Cantada pela Fernanda Takai e o Rodrigo Amarante.
Bjos!!

Alves disse...

Já ouvi essa versão,Fernanda. ficou muito boa!