sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Requiém Do Pequeno

Te falta o gesto largo, a ébria poesia
Te sobra a pequeneza, as pequenas certezas
Como Agenor dizia
A vida não te intoxica enquanto contas trocados
Não vês o anzol e a linha da vida que passa ao teu lado
Te falta subir ao mais alto, te falta descer ao mais baixo
Te sobra a maldita prudência, alegrias compradas a prazo
Ao invés de viver, sobrevives, sacrificas o essencial
Não choras de dor em finados, não gritas de amor carnaval
Cometes então, que surpresa!O sacrilégio final
Não vês a fugaz e humana beleza e sonhas em ser imortal

Ps.: Ganha um doce quem adivinhar de quem é esta letra...

4 comentários:

Fernanda disse...

Do Agenor é que ñum é, né? Nãoi vou ganhar um doce :o(
Mas é forte. Me parece falar de alguém que está apenas sobrevivendo.

Beijos, moços!!!

Raul disse...

Seria de um tal de Hebert Viana?

(Eu quero cocadinha da bahia! he he)

Abraços meu brother!

Alves disse...

Resposta correta, Rauzito! Pago a cocadinha acompamhada de cerveja!!
Abs!
Ps.: A Fernanda, não ganha doce por que já é um doce!!
Ré,ré!!

Alves disse...

Resposta correta, Rauzito! Pago a cocadinha acompamhada de cerveja!!
Abs!
Ps.: A Fernanda, não ganha doce por que já é um doce!!
Ré,ré!!