quinta-feira, 5 de outubro de 2006

Micro-Romance

Sim. Aquela noite foi curta demais. A rapidez das coisas boas - vide o gozo. Eu naquela de ficar ali deitado na cama, ao som das balas ice-kiss que ela quebrava nos dentes. Crac!!! Isso era o que eu mais gostava de ouvir. Sua impaciência, depois um beijo. Eu sentindo seu gosto nas mãos, seu perfume tocando meus olhos, ventania que entra pelo ouvido - sussurros. E o tempo passando translouco. Ora passado, ora futuro, confusão no pensamento. Ah, e esse relógio que não quer parar , morte aos ponteiros, eu pensava. Pra quê o sol? Pra quê o dia? Então me escondia na escuridão de suas ancas... E ela me olhava e ria.

3 comentários:

Sam disse...

E o pra sempre liga pra relógio?

Alves disse...

Pois é, sam...Os eternos inimigos!

Raul disse...

Difícil demais sair depois que se entra...isso me lembra minhas várias "quedas" nas armadilhas pra libido.

Triste, mas muito prazeroso.