quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Apesar dos pesares

Amei do jeito que acreditava ser o mais verdadeiro. Amei pontualmente. Amei na pálida esperança de que amar resolve. Amei para combater a própria covardia que reside em nós – em todos nós – e nos impede de tentarmos manter relações com os afetos abertos. Amei com toda força, com todo o amor que havia, escancaradamente, pra que não sobrasse amor nenhum.

Amei na frágil esperança de que amar resolve.

6 comentários:

Alves disse...

E agora o que sobrou,um filme no close pro fim?
Bola pra frente velho!!
Abs

Raul disse...

Boa cara! ...pequei na vontade de ter um amor de verdade... mas é a vida.

paula r. disse...

amei na pálida esperança de que amar resolve.

que coisa mais linda.

Raul disse...

Linda mas triste pra caramba viu paulinha...

mas valeu!

Erlando Martins disse...

O meu brother! a vida é assim, cheia de altos e baixos. E todo mundo passa por essas provações para se auto confirmar em busca da felicidade.

Quando precisar, pode contar meu bom!

abs!

Raul disse...

opa! valeu mano! A parceria não se abala nunca...

Abração!