sábado, 17 de junho de 2006

4:25 PM


Sempre escrevendo em pautas
E andando por linhas tortas
quando garantem que o torto
não é o caminho errado.
Espero que mesmo assim
vivam bem mais que você
os que assim como eu
não entenderam a história
(cheia de pontos finais.)

Eu quero a cor dos sorrisos
que vão perder todo branco
e vão ficar amarelos
com o reflexo do tempo
e a soma dos nossos sonhos
não vai ser o peso morto
que é agora nesse começo
e parece não existir
(não há conclusões por perto)

O vício de estar sozinho
é quase sempre consolo
não há problemas a menos
quando se tem companhia
mas arrebentar correntes
fica mais fácil a dois
rompe o ferro escravizado
a união de duas forças
(e o silêncio está escasso)

É preciso dormir na rua
e se embriagar uma vez
não para esquecer do mundo
mas pra vê-lo de outra forma
lucidez não é o bastante
bom senso não faz sentido
quando se busca o sentido
em estado absoluto.
(quem garante o amanhã?)

Difícil é acreditar
que acontece por acaso
que essa pulsação contínua
ainda que desritmada
continue sem motivo
pulsando inconsciente
para que um sono futuro
(traga um sonho de presente)

Já que as veias não se fecham
e o coração não se cansa
e a cabeça ainda resiste
e os pés querem pisar
que nunca falte o sangue
transborde até derramar
que até o fim venha com isto
pra quem quiser descansar
(é que a vida é um imprevisto.)

5 comentários:

Maíra disse...

Vc sempre me surpreendendo.

Tá vendo? A magia das pessoas é essa...


Que vc continue encantando minha telinha....

Maíra disse...

Isso me faz dizer...


Keep doing that! Always!

Raul disse...

Pode deixar, Maíra. Eu continuarei...

Samara disse...

Caminhando e cantando e seguindo a canção... é a regra!

Linda poesia, é sua?

Maíra disse...

e como está tentando?